« O faroeste existencialista de Johnny Mognon | Main | Fluffy »

Comments

marcelo

quando leio esses textos fico pensando nas gerações de leitores que estão por vir, naqueles pequeninos que ainda não travaram contato com o alfabeto e se entretêm com leituras semiológicas de berçário; de móbiles pendurados sobre seus berços azul-bebê (percebam as cores deste site, p ex. - aponta para os que virão).

eles devorarão isso tudo como talharins ao sugo sobre toalhas xadrezes.

The comments to this entry are closed.